A História da Impermeabilização na Idade Média e Moderna

Das trevas à revolução industrial

 

Primeira parte:

Se você não viu a primeira parte desse blog explicando a impermeabilização no tempo do Capitão Caverna, até o Antigo Egito e os Romanos, clique aqui.


Idade das Trevas


Por grande parte da História Antiga até da Idade Média, os conhecimentos, produtos e métodos de Impermeabilização pareciam ser suficientes... Ou não... A Peste Negra que dizimou quase um terço da população da Europa, em meados do século XIV até XV, foi o ápice do castigo que a Humanidade passou pelo crescimento desordenado, desenfreado e inconseqüente dos vilarejos da época.
 

Naquela época, a peste dizimou mais de 25 milhões de pessoas só na Europa

 

Falta de tratamento de água, péssima manipulação e armazenamento de alimentos, cidades imundas, casas sujas e ruas deploráveis e fétidas.

 

Como não havia recolhimento e tratamento de esgoto, as ruas das cidades, já lotadas de cocô de cavalo, recebiam ainda uma enxurrada diária de penicos que a população jogava ao ar livre no final do dia (!), para evitar aquele acúmulo de fezes e urina, em meio à pedestres e carroças, as ruas tinham caída “pra dentro” e guia central, para escoarem essa enxurrada cheirosa pra longe...
 


Olha a água de penico... Saiam de baixo!
 

Sem preocupação alguma com impermeabilização decente de áreas sanitárias, e outros locais de armazenamento e escoamento de água e dejetos, era fácil perceber que toda essa “porcaria” acabara por ser absorvida pela terra, plantes, e animais...

A medicina, química e biologia ainda eram imaturas para perceberem e darem à população a real importância das boas condições sanitárias e de limpeza na qualidade de vida, e proliferação de doenças.

 

Guias das ruas centrais para escoar a merd*

Adicione a ausência de bons hábitos de higiene pessoal, cabelos compridos e barbas gigantes cheias de piolhos, roupas sujas, a falta de escovação dos dentes e sem banhos freqüentes, daí a fama dos bons perfumes franceses!


Revolução Industrial

 

A impermeabilização que antes ainda era rudimentar à base de compostos brutos densos de petróleo ou de óleos animais, precisava acompanhar esta demanda sedenta por novas técnicas e produtos.

No Brasil, deu-se a utilização de óleo de baleia, utilizado também na cozinha, na confecção de cosméticos, na tecelaria, e para alimentar lamparinas... Como impermeabilizante, tinha função hidrófuga, e era amplamente utilizado na mistura da argamassa de assentamento de tijolos, na confecção de revestimentos de paredes, comuns desde o séc. XVII ao XIX.

 

Óleo de Baleia e Lamparina

 

Forte Monte  Serrat – Salvador , 1583; Um belo exemplo de construção impermeabilizada e bem mantida até os dias de hoje!

 

Não precisa nem dizer que tirar impermeabilizante de baleia, nunca foi uma ideia razoável...

 

 

Pobres baleias :-|

 

Do Rústico para o Sistemático... A Revolução Industrial

 

 

O estilo e vida rural era simples, ninguém se incomodava com um mofo aqui, com uma pintura descascando, ou com uma umidade acolá.

Aqui no Brasil, mesmo após o grande êxodo rural  já ter ocorrido, era normal este tipo de moradia ser predominante no início do séc. XX até quase sua metade.
 

Foto de casa de fazenda em Goiás (detalhes nas fontes do rodapé)

 

A estrutura das cidades, exigia maior cuidado com a impermeabilização. enormes áreas de piso com pouca permeabilidade, grande densidade populacional, construções verticais, novas tendências arquitetônicas, modernidade, estradas férreas, rodovias, túneis, almoxarifados, construções subterrâneas, além de avanços na rede de distribuição de água e coleta de esgoto.

 

Tudo muito sistemático...

 

Apartamento era moderna, do séc XIX

 

A (primeira) Revolução Industrial foi possível logo após a invenção da máquina à vapor, começando na Inglaterra e logo se expandindo por toda a Europa, acredita-se que no final do séc. XVIII ela tenha acontecido de fato.

 

Imagem típica de efeito da Revolução Industrial nas grandes cidades européias.

 

A necessidade ávida de trabalhadores para as recém criadas plantas de produção industriais, causou um alvoroço, enorme debandada da população, que saiu da zona rural para se abarrotarem nas cidades modernas.
 

 

 

Grande parte da população saiu do campo em busca de emprego, modernidade e conforto nas grandes cidades

 

A necessidade de novas técnicas de impermeabilização, mais modernas, logo foi atingida, e já utilizando os avanços da química orgânica, inorgânica, matemática, logística e física da produção/transformação de produtos, energia elétrica abundante, distribuição de água, e transportes eficientes. Além de capacitação da mão de obra e de cientistas, pesquisadores e aplicadores.

 

 

Thomas Edison, Einstein, e a Tabela Periódica de Mendelev, de 1891.

 

Melhorias na prospecção, extração, uso e transformação à partir do refino do Petróleo, era possível identificar quais as porções do petróleo extrair para cada aplicação e quais delas adequadas de serem utilizadas na impermeabilização.

 

Evolução da prospecção, extração e refino do petróleo (e suas frações).

 

A descoberta dos monômeros, suas cadeias de polimerização, modificação, e de vulcanização da borracha, permitiu a criação de uma centena de novos compostos, aplicáveis na produção de utensílios do dia a dia, móveis, roupas, carrocerias, cosméticos, equipamentos, máquinas, carros, barcos, trens, aviões, além de aditivos e novos compostos aplicáveis na construção civil. 

 

 

Polímero azulll, azulll polímero.

 

 

Polímeros, são na realidade a união de vários manômeros em séries, em cadeia fechada ou aberta.

 

A impermeabilização de fato entrava com os dois pés no séc XX.

 

 

 

11 de Novembro de 2019.

Thiago Vallotti de Freitas.

Engenheiro Sócio da Imperplus

 

Fontes das imagens encontram-se em seus respectivos links, são de direitos pertencentes aos respectivos proprietários e autores, citados nos links da imagens.


Alguns links interessantes sobre o assunto:

Peste Negra: https://www.megacurioso.com.br/ciencia/106164-botaram-a-culpa-nos-bichos-ratos-podem-nao-ter-espalhado-a-peste-negra.htm

Higiene da Idade Média: https://segredosdomundo.r7.com/13-costumes-da-idade-media-que-vao-matar-voce-de-nojo/

Casa Abalcoada:http://casaabalcoada.blogspot.com/2010/11/arquitetura-rural-de-goias-xiii.html

Revolução Industrial: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/revolucao-industrial.htm

Como é feita a caneta (azul): https://www.youtube.com/watch?v=NKC0hpnh5XY